quarta-feira, 7 de abril de 2010

[AMIZADE] O Adeus

Um dia, sem mais nem menos, minha irmã, que na época morava em BH, liga aqui em casa e diz uma historinha das mais tristes. "Gente, tem um cachorrinho sem um olhinho lá no Pet Shop da Donna, pega ele pra voces!!" Alguns dias depois aterrizava em nossa casa um animalzinho que foi rejeitado por diversos outros lares e, sabe-se lá porque, foi aceito aqui em casa. Isso aconteceu há 4 anos, mais ou menos. Um monte de gente não entendia porque da gente adotar um cãozinho sem olho, vira-lata, rejeitado e velhinho, ainda por cima. Pois é, o que pra muita gente era defeito, para mim acabou virando qualidade.

O Dino veio pra cá com pouquíssimas informações. A gente só sabia que ele era um vira-lata cuja ex-dona o havia deixado na rua após ele ter sido atacado por um pitbull, que teria entre 6 a 8 anos (mais tarde, o veterinário afirmou que ele poderia ter já uns 12) e só. Por causa disso ele ficou sem um olhinho e quase morreu. E por causa desse defeito, ninguém queria adotá-lo. Perderam uma chance de ouro de ter no seu convívio um cachorrinho tão bacana como era o Dino.

Sabe aquela frase cliche "quanto mais conheço os homens, mais gosto do meu cachorro?" Eu achava essa frase uma tremenda baboseira até o dia que o Dino veio aqui pra casa. Jamais vi um ser tão leal como ele. Gostava muito de cada um de nós, tanto que toda vez que a gente chegava em casa ele vinha nos receber. Dava uns latidos, meio que avisando que estávamos chegando, balançava o rabinho pra nós e pedia pra gente passar a mão na barriguinha dele. Quando a gente começava a almoçar, ele sentava do nosso lado e pedia, somente com um olhar, um pedacinho do que quer que fosse. Dava uma "rodadinha"para agradecer o presente. Mas se ele não gostasse, deixava de lado e pedia mais uma vez. Quando eu ainda comia carne, dei pra ele muitos pedaços de bife, picanha, frango. Conto nos dedos as vezes que ele comeu a ração que a gente deixava. Diversas vezes ele chegava do meu lado e deitava, ficava lá fazendo companhia. Nos últimos tempos, ele dormia do lado da nossa cama. Quando a gente assistia tv ou ficava no computador, ele deitava e ficava lá, olhando pra gente e esperando por um carinho qualquer. Não pedia muito, só isso mesmo...

De um ano pra cá, o Dino mudou muito. Ele pegou a chamada Doença do Carrapato (que eu não sei dizer muito bem o que seria essa doença), e ficou muito debilitado. Já não comia direito, já não brincava como antes, já não atendia a porta. Durante meses levamos quase que semanalmente o Dino no veterinário, e ele sempre dizia que não tinha muito o que fazer. Era esperar chegar a hora dele, que podia ser naquele instante ou demorar muitos anos. Ficamos nos preparando para isso, mas todos sabemos que quando a hora chega, nunca estamos preparados.

E a hora chegou. Hoje, o Dino nos deixou. Se eu estivesse falando para crianças, eu diria que ele foi pro "Céu dos Cachorros". Foi lá se divertir com seus pares. Vai me fazer muita falta aqui. É cliche demais falar que ele era um membro da nossa família, porque era mesmo. Quando a gente saía, meus pais sempre falavam que tinham que voltar cedo porque o Dino estava sozinho. Era uma forma de agradecer a lealdade que o Dino sempre nos proporcionou. Não importava o motivo, ele sempre estava ao nosso lado. Até na hora de partir, Dino estava deitado do meu lado no sofá, enquanto eu assistia tv, como de costume. Uma cena chocante para alguns, para mim inclusive, mas passadas algumas horas, eu encaro de outra forma. Não tinha outro jeito do Dino se despedir de nós, a não ser estando ao nosso lado. Tive o privilégio de ser o "escolhido" dele. Não posso estar mais agradecido.

Quem tem/teve um cãozinho entende meus pensamentos. Sabe que por mais que eles fossem apenas "um cachorro", entende que eles são bem mais que isso. São companheiros, amigos. Que nos fazem tão bem somente por estarem próximos de nós. Quem tem/teve entende minha tristeza. E talvez por isso tenha lido este texto até o fim.

Dino, voce vai fazer muita falta pra mim. Muita mesmo. Adeus "Meu Cachorro, Meu Cachorrinho, Meu Cachorro Mais Maluco"...

6 comentários:

  1. É muito bom ter bichinhos, mas triste demais quando eles vão embora.
    :(

    ResponderExcluir
  2. Também sentirei muita falta dele. Fica com Deus Maraca...

    ResponderExcluir
  3. RIP Dino! Já perdi um cão tb, demorou até termos coragem de pegar outro. Hj estamos com o Linus aqui em casa! Ajuda a superar =]

    ResponderExcluir
  4. Eu sei que é outro assunto, mas acho que você vai apreciar a leitura desse meu texto: http://incautosdoontem.opsblog.org/2008/06/06/ex-sonhadores/

    Li o seu e reli o meu... e acabei chorando.

    ResponderExcluir
  5. É triste... :(

    ResponderExcluir

Diga pra mim...